Quais são as lacunas, os famosos “gaps” do mundo do trabalho, hoje?

O futuro do trabalho é agora. Hoje. Nos últimos anos, as mudanças no mundo do trabalho se multiplicaram. A COVID-19 apenas acelerou isso. As tendências já existentes tornaram-se mais proeminentes, evidentes e às vezes também um pouco preocupantes.

Ambientes econômicos voláteis e complexos estão desafiando os modelos de negócios tradicionais. Tendências semelhantes estão perturbando o mundo do trabalho no qual a COVID-19 está deixando sua marca. 

Pode-se observar três tendências principais que afetam o mundo do trabalho de hoje: Se você deseja entender mais sobre quais são as lacunas que existem nesse meio atualmente, continue sua leitura conosco!

  1. Transformação digital e trabalho remoto                                          Primeiro, o mundo do trabalho é reinventado pela automação, inteligência artificial e todos os tipos de tecnologias digitais. Os empregos estão sendo eliminados como resultado disso, mas também estão sendo criados por conta disso.

    Isso é parte integrante da inovação. Sempre foi.  A Covid-19 forçou muitas empresas a implementar automação mais rapidamente. Vemos esse processo de eliminação de empregos se acelerando impulsionado pela crise econômica de hoje, mas não há razão para que a previsão geral de mais empregos sendo criados do que eliminados não se concretize a longo prazo.

    Além disso, desde o ano passado, o dobro de pessoas vêm trabalhando remotamente em comparação com antes, e a divisão entre trabalho e vida pessoal certamente não ficou clara para funcionários de escritório, profissionais e gerentes. Permanentemente.

    Não trabalharemos mais sempre no mesmo lugar ao mesmo tempo. O que significa que as empresas são forçadas a revisar conceitos de gestão e liderança. Outra coisa que a pandemia também nos ensinou é a importância da conexão humana.

    Precisamos de conexões significativas  ao vivo e com o suporte da tecnologia. As pessoas continuarão a combinar o trabalho no escritório e em casa. Estamos avançando rapidamente para um modelo híbrido.

    O engajamento remoto de talentos e mecanismos de direção inovadores se tornaram importantes tópicos de RH praticamente da noite para o dia nos tempos de COVID-19.
  2. Gestão da cadeia de suprimento de talentos
    A segunda tendência importante a ser observada é o impacto da globalização no gerenciamento da cadeia de suprimentos. Com a diversidade de países, culturas, ambientes regulatórios, fornecedores, talentos e formatos de trabalho, a gestão da cadeia de suprimentos estará ainda mais sob escrutínio com maior atenção à gestão de risco, direitos humanos e sustentabilidade.

    Estamos passando de uma economia just-in-time para uma sociedade just-in-case. As empresas precisam se concentrar cada vez mais em garantir condições de trabalho dignas e justas para todas as formas de trabalho e todos os colaboradores em suas cadeias de suprimento, bem como garantir a diversidade, a inclusão e a igualdade. Um grande desafio, para dizer o mínimo.
  3. A otimização da demografia global
    A demografia é a terceira tendência global. Enquanto o envelhecimento da população ativa cria preocupações no hemisfério ocidental, outros países têm uma crescente população jovem que precisa de oportunidades de emprego.

    Países como Índia e Nigéria terão um enorme potencial de talento humano disponível nas próximas décadas. A incompatibilidade de talentos que existia antes da COVID-19 aparecerá novamente, o que sinaliza a necessidade de uma mobilidade de trabalho virtual global mais organizada e regulamentada.

    Mecanismos transparentes de recrutamento, uma responsabilidade conjunta por fornecer condições de trabalho justas e um ambiente organizacional saudável se tornarão essenciais. Isso está claramente ligado às duas primeiras tendências.

COVID-19 expõe ainda mais as lacunas de talentos: como resolver?

Como resultado de todas essas tendências, a polarização está aumentando. As lacunas estão se tornando visíveis. Não apenas entre jovens e idosos, mas também entre trabalhadores com rendas mais baixas e mais altas, operários versus gestores, com baixa e alta qualificação, e entre trabalhadores com diferentes formatos de trabalho. A COVID-19 tornou mais visíveis lacunas que já existiam. 

Isso sinaliza uma necessidade crescente de políticas ativas visando o mercado de trabalho, juntamente com atividades de qualificação e requalificação, a fim de manter a empregabilidade das pessoas. 

Como mencionado, a incompatibilidade de talentos já existia antes da COVID-19. As pessoas certas nem sempre estavam no lugar certo, tratando-se de geografia ou função, muitos trabalhadores não tinham os conjuntos de habilidades físicas e/ou sociais. O desemprego está aumentando, o que torna a requalificação ainda mais crucial para evitar efeitos negativos duradouros nos mercados de trabalho. 

As pessoas precisam ser capazes de fazer a transição de uma função/tipo de trabalho/empregador  para outro o mais rapidamente possível e garantir a empregabilidade contínua. Precisamos implementar sistemas que favoreçam a empregabilidade ao invés da segurança no emprego. 

Por exemplo, na Holanda, estamos treinando carregadores de bagagem que costumavam trabalhar em aeroportos para trabalhar em depósitos e comissários de bordo para trabalhar em ambientes de saúde para combater o coronavírus. E há muitos outros exemplos globais onde é fornecido o treinamento intersetorial inovador.

  1. Criando mercados de trabalho que funcionem bem

    Então, como podemos ter certeza de que direcionamos esses desenvolvimentos de forma que beneficiem os trabalhadores, as organizações e a sociedade como um todo? 

    Falando abertamente: o mercado de trabalho precisa de flexibilidade de trabalho e para lidar com o mundo cada vez mais incerto. Estamos e estaremos em contínua transformação, e as empresas precisam se adaptar para competir com sucesso na sociedade just-in-case. 

    Precisamos de uma diversidade de arranjos de trabalho bem regulamentados. Em tempo integral, meio período, trabalho por contrato, trabalho temporário e muito mais. Mas precisamos acertar. 

    Permitir uma diversidade de arranjos de trabalho decentes contribui para o aumento dos níveis de emprego e, portanto, para um mercado de trabalho mais seguro. A crise econômica provocada pela pandemia da COVID-19 mostrou que as atuais redes de segurança social não são à prova de futuro.

    No geral, os talentos com contratos estáveis estavam bem sustentados, enquanto aqueles com outras relações de trabalho muitas vezes estavam sem trabalho e renda.

  2. Implementando de uma verdadeira agenda de inovação social

    Minha visão para um mercado de trabalho à prova de futuro é garantir condições de trabalho justas, proteção social adequada e orientação profissional proativa, independentemente do tipo de relação de trabalho. Ou de forma de trabalho. Isso é o que alguns chamam com razão de agenda de "inovação social”.

    O Relatório de Impacto Social (The Social Impact Report) da Confederação Mundial do Emprego (World Employment Confederation) mostra que os trabalhadores temporários na União Europeia, em grande parte, recebem acesso semelhante a benefícios de proteção social em caso de desemprego, doença ou pensão. 

    Ele mostra que flexibilidade e segurança podem andar de mãos dadas. Por outro lado, os trabalhadores autônomos com contrato de prestação de serviços só têm pleno acesso ao seguro-desemprego em um quinto dos países pesquisados. 

    E não vamos esquecer os milhões de trabalhadores que ainda trabalham na economia informal; 60% da força de trabalho global de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (International Labour Organization)

    Eles carecem de proteção social. Portanto, ainda há trabalho a ser feito para alcançar o Objetivo 8 de Desenvolvimento Sustentável da ONU (UN Sustainable Development Goal 8) para promover o crescimento econômico inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho adequado para todos.

O papel que a indústria de serviços de RH deve desempenhar

Como chegamos lá? Como podemos implementar essa agenda de inovação social? A indústria de serviços de RH tem um papel claro a desempenhar, assim como a de especialistas do mercado de trabalho. 

Globalmente, em uma base anual, 2,4 milhões de consultores de carreira e recrutamento colocam mais de 50 milhões de pessoas em empregos adequados a uma diversidade de arranjos contratuais e de trabalho. Mas a indústria de serviços de RH não pode implementar a agenda de inovação social por conta própria. 

A solução mágica para um mundo de trabalho verdadeiramente sustentável é a cooperação pública-privada. Uma visão holística e integrada. Colaboradores, empregadores, sindicatos, recrutadores, instituições educacionais, governos, ONGs e muito mais.

Os empregadores devem perceber que, para atrair o talento que precisam, devem oferecer diferentes formas de trabalho para atender às necessidades dos trabalhadores e investir em qualificação. As instituições educacionais devem se conectar às empresas para preparar a força de trabalho do amanhã. 

Trabalhadores e empregados devem perceber a necessidade e responsabilidade de aprendizagem e desenvolvimento ao longo da vida. Os sindicatos devem representar todos os trabalhadores, independentemente do tipo de trabalhador. 

E, finalmente, os governos devem adaptar regulamentos e políticas para reduzir as desigualdades e permitir a empregabilidade ao invés da segurança no emprego. As regulamentações trabalhistas precisam oferecer suporte para ativação e transições fáceis. 

Os recursos públicos precisam ser usados para apoiar as pessoas que entram e saem do emprego, combinando a experiência dos serviços de empregos públicos e privados.

A indústria de RH, e a Randstad em particular, estão mais do que prontas para fazer sua parte. E esperamos estar unidos em nossa busca por inovação social e por mercados de trabalho ágeis, sustentáveis e seguros que beneficiem todos.

Você busca uma solução de RH?

Clique aqui

Você é candidato e quer saber sobre nossas vagas?

Clique aqui