O caminho até o 1º emprego: veja o que fazer para pegar uma vaga

McDonalds e Atento são algumas das empresas que estão com oportunidades para profissionais sem experiência

Ingressar no primeiro emprego ainda é uma dificuldade para um jovem baiano, sobretudo se estiver na faixa etária dos 18 aos 24 anos. O cenário é desafiador, mas também há razões para se manter otimista e perseverar na busca pela primeira assinatura na carteira. A parte desafiadora: segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2015 e 2017, a Bahia acumulou uma queda de 12% na contratação de jovens para o primeiro emprego.

Por outro lado, o do otimismo, o órgão detectou uma inversão na curva no final do ano passado. O número de jovens contratados no 3º trimestre de 2017 comparado com igual período em 2018 passou de 726 mil para 756 mil. Ou seja, mais 30 mil ocupados com carteira assinada.

Os números - todos da Pnad Contínua e referentes ao 3º trimestre do ano - mostram o tamanho dos obstáculos para o jovem profissional acessar o mercado de trabalho formal. Mas indicam que, apesar das barreiras, dar os primeiros passos da carreira não é impossível.

A conclusão é a de que, com a concorrência acirrada, o jovem que busca sua primeira experiência precisa estar preparado se quiser ingressar no mercado, conforme destaca a especialista em Recursos Humanos da Luandre Recrutadora, Flávia Gomes. “As empresas buscam profissionais que estejam aptos a lidar com mudanças, dispostos a aprender, engajados em atingir metas e comprometidos com a qualidade do que vão entregar”.

Na Luandre, o segmento de atendimentos telefônicos, varejo e auxiliares administrativos é o que mais costuma contratar. “Sai na frente aqueles que apresentam bom relacionamento com a equipe e características de liderança”, completa.

Diferencial

A Rede de Restaurantes McDonalds é uma das empresas que mais abrem portas para o primeiro emprego. Cerca de 90% do quadro de funcionários em todo o país é formado por colaboradores de até 25 anos. “Esses jovens que chegam para nós sem uma experiência anterior não trazem consigo modelos e vícios de mercado, o que nos permite capacitá-los e desenvolvê-los”, afirma o diretor de Recursos Humanos do McDonald's, Marcelo Nóbrega.

A McDonalds está com vagas abertas na Bahia. Só este ano, 546 novos postos devem ser criadas em Salvador. Para se habilitar é preciso se cadastrar no site www.mcdonalds.com.br/trabalhe-conosco. “A falta de experiência, na verdade, é para nós uma vantagem na contratação”, garante Marcelo.

A Atento também tem vagas para o cargo de operadores de telemarketing. Só neste ano, a empresa já contratou 776 pessoas para a primeira experiência no mercado. É possível se candidatar enviando o currículo para traderh@atento.com.br ou pelas redes sociais: Facebook (www.fb.com/AtentoRecrutamento) e Telegram (@AtentoRecrutamento).

“Outro benefício (de ofertar vagas de primeiro emprego) é contar com os millennials e a geração Z, que já nasceram no mundo digital. Eles acabam contribuindo com a própria identidade da empresa”, pontua o diretor de Recursos Humanos da Atento, Majo Martinez.

O consultor de carreiras da Recrutadora Randstad Silvio Ferreira é quem dá o conselho para se sair bem nas seleções: “As empresas valorizam muito se o candidato está alinhado aos seus valores, com perfil inovador e com conhecimento tecnológico”.

A qualificação é outro ponto que conta. “Aí entram os cursos, formação e o envolvimento em atividades extracurriculares. É fundamental compensar a falta de experiência com educação e desenvolvimento”, acrescenta.

DO BALCÃO À GERÊNCIA

Jaqueline Santos começou aos 16 anos no McDonald’s Entrei como atendente, em um momento difícil para a minha família por conta da morte do meu avô. A renda de minha mãe sozinha não iria dar para sustentar a casa, então eu precisava muito de um trabalho. A situação da gente era bem difícil. Uma colega me falou para eu procurar a loja que ficava localizada na Estrada do Coco, fiz a entrevista sem nem ter concluído o ensino médio e fui contratada. O mais complicado era conciliar os estudos com o trabalho. Ainda assim, com um ano e oito meses, eu conquistei a minha primeira promoção como treinadora. Trabalho na rede há 17 anos. Virei gerente de área e gerente de plantão até ocupar o cargo de gerente de loja, a maior posição dentro do restaurante. Então fui transferida para o Shopping Paralela, passei um tempo também na loja do Shopping Piedade. Lá eu conquistei o prêmio de uma das melhores gerentes da América Latina e ganhei até uma viagem para Chicago (EUA). Eu me dediquei muito ao meu primeiro emprego, no qual permaneço até hoje, agora como gerente de loja no restaurante do Shopping Barra. Fiz faculdade, me formei em Administração e também cursei um MBA em Gestão de Pessoas e essa oportunidade foi fundamental para que eu pudesse enxergar que poderia ir além do cargo de atendente. Mas, para isso, é preciso que o jovem não só aproveite a qualificação oferecida pela empresa, mas também procure esse ‘algo a mais’. Não dá para parar no cargo inicial. Cheguei aqui sem experiência nenhuma e cresci muito como profissional.

AUMENTA A CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES

A Bahia registrou um aumento de 30% na contratação de jovens aprendizes nos últimos quatro anos. Segundo o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), os contratos do Programa Aprendiz Legal entre os anos de 2015 e 2018 passaram de 4.239 para 5.513.

O estado ainda tem potencial para gerar 39.717 vagas caso todas empresas e órgãos do governo venha a cumprir a Lei de Aprendizagem. A legislação reserva de 5% a 10% do quadro de funcionários para aprendizes de 14 a 24 anos. “As empresas ganham ao enquadrarem a cota de aprendizagem e ao mesmo tempo oxigenam o seu quadro de colaboradores com a formação de novos talentos na organização”, destaca o supervisor do CIEE Bahia, Nilson Tedgue.

Foi justamente por meio do programa que Caíque Silva, 19 anos, registrou sua primeira experiência em carteira. Na rede de lojas Fast Shop há dois anos, Caíque começou no atendimento ao cliente até mudar para a área administrativa. “Não foi fácil encontrar uma vaga. Agora eu quero cursar uma faculdade de administração por conta da experiência que tive na empresa", afirma.

O Programa Aprendiz Legal é uma realização da Fundação Roberto Marinho, implementado em parceria com o CIEE. Para participar é necessário se inscrever no site www.ciee.org.br.

GUIA DO PRIMEIRO EMPREGO

Onde estão as vagas? Como encontrá-las? A dica é ficar atento aos sites e redes sociais tanto das empresas quanto das recrutadoras. Faça uma boa pesquisa e cadastre-se. Vale a pena ficar ligado nos sites gratuitos e pagos que cadastram estas vagas.

Currículo É importante que as informações estejam claras e bem estruturadas, como destaca o consultor de carreiras da Randstad, Silvio Ferreira. “Crie algo simples e objetivo, sincero e sem erros gramaticais”, recomenda. A estrutura básica de um currículo leva em consideração a área que deseja atuar, quais os cursos que já realizou, que idiomas domina, qual o nível de conhecimento do Pacote Office, por exemplo.

Entrevista Antes de qualquer entrevista, pesquise no site os dados da empresa contratante, a exemplo do segmento em que atua, produtos, clientes, missão, visão e valores para ter certeza que tem interesse pela proposta. Foque nos principais pontos e reforce o quanto você pode contribuir para a organização, demonstrando ao entrevistador que se preocupou em conhecer a organização. A orientação é da especialista em RH da Recrutadora Luandre, Flávia Gomes: “Treine sua apresentação e se ouça para que possa avaliar possíveis melhoras. Durante a entrevista, tente manter a calma ao relatar seus objetivos e conhecimentos, bem como o contato visual com o entrevistador para que possa transmitir segurança com relação ao que você diz durante o processo. Atente também ao uso do vocabulário e à gramática para falar todas as conjugações verbais corretamente”, recomenda.

Habilidades e competências De modo geral, é importante que o candidato, ainda que seja a sua primeira experiência de emprego, busque qualificação. Invista em cursos específicos para a área de interesse. Também é importante ser flexível, de fácil adaptação às mudanças e com vontade de aprender. Para Silvio Ferreiro, consultor de carreiras da Randstad, é preciso apostar na comunicação. “Os jovens que têm o poder da comunicação se sobressaem no processo seletivo. Em segundo lugar, a capacidade de se trabalhar em grupo", orienta.

Como conquistar a vaga? Prepara-se. Antes de um processo seletivo busque sobre a empresa que vai conversar com você e entenda como funciona a área para a qual você está se candidatando. “No dia a dia, mantenha-se bem informado em relação aos temas relevantes para a sociedade. Outra dica é tentar ‘sair da caixinha’, desenvolvendo ideias inovadoras para a sua área de atuação. Por fim, utilize as redes sociais de forma inteligente, postando conteúdos interessantes sobre a profissão, faculdades e afins”, aconselha Silvio Ferreira, da Randstad.

 Fonte : Correio 24 Horas - 18/02/2019

 

< voltar à página anterior