o que significa o crescimento da economia gig para os gerentes de RH?

O conceito de economia gig - que é definido por pessoas que trabalham em contratos independentes de curto prazo, em oposição a cargos regulares de tempo integral - tem ganhado cada vez mais destaque nos últimos anos.

Essa tendência refletiu em mudanças na legislação. No Reino Unido, por exemplo, o governo anunciou recentemente seu maior pacote de reformas trabalhistas em mais de 20 anos, um dos objetivos era fornecer melhor proteção para trabalhadores da economia gig e pessoas com contratos de 'zero horas'.

Nos Estados Unidos, está previsto que os trabalhadores com contratos flexíveis representarão aproximadamente 43% da força de trabalho até 2020.

Embora tenham surgido algumas questões sobre a importância da economia gig no que diz respeito a como a maioria das pessoas faz seu trabalho, como empregador você não pode deixar de reconhecer essa tendência e o que ela pode significar para o futuro do trabalho.

Do ponto de vista de RH, aqui estão alguns dos principais temas a serem considerados no contexto da evolução da economia gig.

controlando o trabalho remoto

O crescimento do emprego baseado em contrato de curto prazo sinaliza um afastamento do modelo tradicional de pessoas que trabalham horas diárias regulares em um único local. Se sua empresa está pronta para embarcar em novas formas de contratar, um dos principais elementos da economia gig para se preparar é a prevalência de trabalho remoto e horários flexíveis.

Gerenciar equipes remotas e geograficamente distribuídas apresenta alguns desafios únicos, como manter fortes linhas de comunicação com os trabalhadores e garantir que as pessoas estejam fazendo um progresso adequado em relação às metas estabelecidas para elas?

Felizmente, como gerente de RH no século 21, você tem um recurso poderoso à sua disposição para superar esses desafios: a tecnologia.

A gama de serviços e softwares projetados para facilitar a comunicação, administração de equipe e gerenciamento de projetos é mais ampla do que nunca, ajudando as empresas a garantir que a flexibilidade não venha às custas da produtividade.

Algumas soluções foram projetadas especificamente para atender às necessidades dos empregadores na economia gig, como gerenciar equipes remotas e dar às pessoas as ferramentas de que precisam para controlar suas próprias agendas.

percebendo benefícios mútuos

A economia gig tem o potencial de oferecer vantagens mútuas para empregadores e seus trabalhadores, e é importante que esse equilíbrio de benefícios se torne uma prioridade. Empresas éticas e responsáveis colocam uma ênfase tão grande nos direitos e bem-estar de seu colaboradores quanto na redução de custos ou maximização da eficiência.

Certamente é possível obter alguns ganhos financeiros com modelos de trabalho alternativos. Um relatório da Randstad que abordou as tendências de RH em 2018 citou números da Global Workplace Analytics, sugerindo que as empresas podem economizar mais de US$ 11.000 para cada trabalhador remoto de meio período que empregam a cada ano.

O trabalho remoto e a economia gig podem ajudar sua empresa a reduzir custos imobiliários e despesas gerais com recursos como eletricidade, telefones e computadores.

Os funcionários também podem garantir várias vantagens de uma abordagem mais flexível e "ad hoc" do trabalho, como ter mais controle sobre suas horas, um melhor equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e o potencial de ganhar mais fazendo horas extras quando for melhor.

Se você espera um aumento desta modalidade baseado em contrato em 2021, uma meta importante provavelmente será encontrar acordos que sejam igualmente vantajosos para a organização e seus trabalhadores.

permanecendo em compliance

À medida que abordagens novas e mais flexíveis para trabalhar no século 21 se tornam cada vez mais comuns, você precisa se preparar também para a possibilidade de mudanças no ambiente regulatório.

As recentes reformas legislativas no Reino Unido, por exemplo, fecharam uma lacuna legal que antes permitia que os trabalhadores temporários recebessem menos do que seus colegas permanentes. As empresas que operam na Grã-Bretanha também viram o período de referência do pagamento de férias aumentar de 12 para 52 semanas, de modo que as pessoas que trabalham em funções sazonais ou atípicas recebem as férias pagas a que têm direito.

De acordo com o Dr. Alex Wood, sociólogo e pesquisador do Oxford Internet Institute, a recente mudança do emprego tradicional em direção à economia gig significa que se tornou necessário repensar o entendimento comum dos direitos dos trabalhadores e da legislação trabalhista.

O objetivo da lei é proteger as pessoas em uma posição vulnerável; se não estiver mais fazendo isso, precisamos mudar a lei para garantir que essas pessoas estejam protegidas', disse ele ao Oxford Science Blog da Oxford University.

Se o crescimento de arranjos de trabalho alternativos continuarem, a prontidão de resposta será benéfica para sua organização. Além de se preparar para novas demandas de compliance vinculadas à economia gig, olhar para o futuro ajudará sua empresa a obter o máximo de vantagem dessa tendência e construir relacionamentos positivos e mutuamente compensadores com os trabalhadores.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais: